segunda-feira, 6 de março de 2017

Homem de Ferro | A Armadura de Deus (Na voz de Marco Ribeiro - Dublador)

Leia Mais…

O Treinador do Meu Sobrinho

 


Sugestão de leitura #FicaDica.  




Disponível pela Editora Ella. Adquira o seu!!

Leia Mais…

domingo, 5 de junho de 2016

Entrevista com a Escritora Ana Rapha Nunes


Açaí na Panela:  Primeiramente, é um enorme prazer realizar esta entrevista contigo. Muito obrigado por aceitar o convite e prestigiar o Blog com os seus trabalhos.

Ana Rapha Nunes:  O prazer é meu, fico muito feliz e grata por esta oportunidade.

Açaí na Panela:  Então vamos começar a entrevista. Quem é Ana Rapha Nunes? O que ela faz? Poderia nos dizer um pouco sobre você, para que nosso leitores possa te conhecer um pouco?

Ana Rapha Nunes: Bem, eu sou uma pessoa apaixonada por livros desde criança. Nasci no Rio de Janeiro, mas vim para Curitiba muito pequena. Cursei Letras e me tornei professora de Língua Portuguesa, há mais de dez anos leciono essa disciplina em colégios e faculdades. Em 2015, lancei o meu primeiro livro, A Lua que eu te dei, a realização de um sonho de toda a vida. Além de livros, adoro viajar, assistir a um bom filme, sair com os amigos, ir ao teatro, e por aí vai.

Açaí na Panela:  Quando surgiu o seu interesse pela leitura e pela escrita?

Ana Rapha Nunes: Desde muito pequena. Meus pais tinham o hábito de ler histórias para mim antes de eu dormir. Assim, quando aprendi a ler, já era apaixonada por livros. A escrita acabou sendo consequência, pois de tanto ouvir e ler histórias, quis escrever as minhas próprias histórias.

Açaí na Panela:  Qual suas expectativas quanto escritora?

Ana Rapha Nunes: Estou apaixonada por esse novo universo. Escrever e ser lida é fantástico. Quero seguir escrevendo muito e que minhas obras cheguem a mais leitores, dos mais diversificados lugares.

Açaí na Panela: “A Lua que eu te dei” é uma expressão linda e repleta de sentidos.  Quando nasceu o desejo de escrever essa linda estória intitulada “A Lua que eu te dei”?

Ana Rapha Nunes: Foi em meados de 2015. Já havia terminado outra história e buscava algo para escrever que mexesse comigo. Foi numa noite de Lua cheia que a inspiração surgiu. E assim nasceu a história de Luan e Bebel...

Açaí na Panela: Seu livro fala de amizade, amor... Poderia nos contar um pouco do seu primeiro livro?

Ana Rapha Nunes: É a história de dois amigos desde os tempos das fraldas, Bebel e Luan. Ambos são inseparáveis, vão descobrindo o mundo juntos. Mas quando Bebel está prestes a completar 10 anos, ela começa a mudar. Não quer andar mais com Luan, prefere os novos amigos que acabara de fazer. E Luan fica triste, chateado, mas determinado a mostrar para ela que ele é o seu melhor amigo. Para isso, ele é capaz de tudo, até mesmo de dar a Lua para ela... É uma história sobre a infância, a valorização das amizades e os valores que vamos construindo nesse período da vida.

Açaí na Panela: Dizem que os escritores (as) deixam muito de si em seus personagens. Será que há um pouco da vida da escrito Ana Rapha Nunes em algum dos personagens do livro a “Lua que eu te dei”?

Ana Rapha Nunes: Certamente sim. Não há nenhum personagem com o qual eu me identifico diretamente, mas vejo que deixo um pouco de mim em todos eles. Alguns pensamentos, alguns hábitos, alguns sentimentos...

Açaí na Panela: Quanto tempo levou a criação da estória e a conclusão do livro?

Ana Rapha Nunes: O tempo de criação foi, em média, 3 meses. Mas a conclusão do livro, incluindo ilustrações, diagramação, revisão, foi mais tempo. Uns 7 meses ao total.

Açaí na Panela: Sei que você é Professora também. Qual sua opinião quanto ao ensino da Escrita Criativa na educação básica?

Ana Rapha Nunes: Vejo que se valoriza pouco a escrita criativa. Em sala de aula, ainda hoje, se prioriza mais a gramática e os conteúdos voltados ao vestibular. A imaginação e a criatividade ficam mais restritas aos primeiros anos da educação, depois se deixa muito de lado esses elementos, o que certamente deveria ser mais valorizado. Em sala, eu sempre busco inovar e valorizar a criatividade dos alunos, utilizando elementos lúdicos para isso.

Açaí na Panela: Acredito que teu livro é um enorme presente para nossa literatura. Como pode os leitores do blog adquirir um exemplar? “A Lua Que Eu Te Dei” está disponível nas livrarias?

Ana Rapha Nunes: Agradeço pelo carinho, meu objetivo é contribuir de alguma maneira para a formação de nossas crianças e jovens, acho que a leitura tem um grande papel nisso. Então, é possível adquirir pelo site da editora (http://www.editoraappris.com.br/produto/a-lua-que-eu-te-dei), ou pelo site as Livrarias Curitiba (http://www.livrariascuritiba.com.br/lua-que-eu-te-dei-a-appris-lv395905/p) ou ainda pelo meu Facebook (Ana Rapha Nunes), envio para o Brasil todo um exemplar autografado. Quem mora em Curitiba (PR), pode ir diretamente às Livrarias Curitiba e adquirir um exemplar em uma das lojas da cidade.

Açaí na Panela: Ana, muito obrigado pela entrevista. Um grande abraço. Desejamos lhe muito sucesso. Gostaria de dizer mais alguma coisa para encerrarmos nossa entrevista?

Ana Rapha Nunes: Gostaria de agradecer a oportunidade mais uma vez e, também, de enfatizar a importância da leitura. Leiam sempre, leiam muito, leiam tudo. Ler é fundamental para o ser humano, faz bem ao cérebro e ao coração. Um grande beijo para todos!


Leia Mais…

Jesus: O Novo Mundo e o Novo Homem

Leia Mais…

domingo, 29 de maio de 2016

Release Ana Rapha Nunes



Ana Rapha Nunes vem ganhando força no cenário literário local. A escritora voltada ao público infanto-juvenil vem conquistando leitores e divulgando seu trabalho na mídia.

A escritora colocou no mercado o livro infanto-juvenil A Lua Que Eu Te Dei, pela editora Appris. A obra traz a história de uma bela amizade de infância. Luan e Bebel são amigos desde o tempo das fraldas, não se desgrudam. Mas, com o passar do tempo, as coisas começam a mudar. Bebel vai crescendo e deixando de lado o seu melhor amigo, aquele que sempre esteve ao seu lado, nos momentos de alegria e de angústia. Mas Luan não irá se conformar com o fim dessa amizade, e fará de tudo para provar o seu sentimento por Bebel, até mesmo dar a Lua de presente para ela. Assim, a história traz um pouco das recordações da infância e dos valores cultivados nessa época da vida, tão importantes para a nossa formação. Nesse sentido, é uma leitura muito apreciada também por adultos, que gostam de reviver os bons momentos juvenis.

Em maio, a escritora estará lançando a obra infanto-juvenil Mariana, pela editora Inverso, a qual é uma história ambientada na cidade de Mariana, Minas Gerais, que conta a tragédia ocorrida em novembro de 2015, pelos olhos de uma menina de doze anos, também chamada Mariana.

A autora vem ganhando destaque nas redes sociais e nos eventos locais, sempre participando de palestras e bate-papos literários, em escolas e empresas, divulgando a importância da leitura, o que também trabalha incessantemente em sala de aula, visto que é professora de Língua Portuguesa do Ensino Fundamental II e de cursos de graduação.

Ana Rapha é membro integrante da AEILIJ, vem participando de várias entrevistas nos meios de comunicação, além de o seu livro ser alvo de resenhas feitas por blogueiros de todo o país. A autora esteve recentemente na Feira do livro de Joinville.

Para adquirir o livro, basta apenas acessar o site da editora Appris (http://www.editoraappris.com.br/produto/a-lua-que-eu-te-dei), ou o site das Livrarias Cultura (http://www.livrariacultura.com.br/p/a-lua-que-eu-te-dei-46089500). Também é possível adquiri-lo nas Livrarias Curitiba ou ainda pelo Facebook da autora (escritora Ana RaphaNunes), se quiser um exemplar autografado, faz envio para todo o país.


Leia Mais…

domingo, 3 de abril de 2016

SERÁ QUE HÁ?


Representatividade política, será que há?

Vou generalizar:
No Brasil
Nenhum partido político
Representa o Povo.
Muita ingenuidade
Foi aquela de imaginar
Que uma representatividade
Iria se dá em nossa ‘Pátria (des) Educadora’

No Brasil
Nenhum partido político
Representa o Povo
Ingenuidade minha
Imaginar que representaria os Trabalhadores

Além do mais
O Povo só é considerado
Em períodos eleitorais e
Em alguns momentos de manobra política
Com a utilização da famosa ‘Massa’

Então, Como eu disse acima
Generalizei: na Democracia brasileira
O Povo não são politicamente
Representados!

Pronto, falei (ou melhor, escrevi)


Leia Mais…

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

+ Músicas "Securares" edificantes



Disponível no Podcast Irmãos.com. 

Leia Mais…

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails